20/06/2024 - Edição 540

Poder

Perto do fim do caso das joias, PF aprofunda investigação sobre Michelle Bolsonaro

Ela pontua bem nas pesquisas. Mas assim como herda os votos do marido, herda também sua pesada rejeição, que só fará aumentar até as eleições

Publicado em 03/06/2024 9:13 - Juliana Dal Piva (ICL Notícias), Ricardo Noblat (Metrópoles) - Edição Semana On

Divulgação

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Polícia Federal (PF) planeja concluir o inquérito que apura enriquecimento ilícito e apropriação ilegal de patrimônio público pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL-RJ) nos próximos dias e está aprofundando os dados da investigação que envolvem a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro.

A coluna apurou que, com o material obtido, é difícil que Michelle escape de algum indiciamento. No entanto, o aprofundamento das investigações nessa reta final é necessário para tipificação precisa das condutas que serão apontadas. Michelle, porém, sempre negou as acusações.

O inquérito apura tanto a venda ilegal de joias presenteadas pelo governo saudita como o desvio de recursos públicos para pagamentos de Michelle e seus familiares feitos com dinheiro vivo. A investigação obteve mais dados do envolvimento dela no segundo caso.

Cartão usado por Michelle Bolsonaro

As suspeitas sobre os desvios iniciaram a partir de comprovantes de pagamentos obtidos no celular do ex-ajudante de ordens Mauro Cid e se ampliaram com a quebra de sigilo bancário e fiscal do militar e de outros ex-funcionários da ajudante de ordens.

Entre os dados, a PF identificou pagamentos de boletos para um irmão da ex-primeira-dama em setembro de 2021. Os investigadores também identificaram mensagens que apontam que Bolsonaro orientou Cid a fazer o pagamento de um boleto de uma despesa hospitalar para uma tia de Michelle, Maria Helena Braga, em dinheiro vivo. Esses dados foram revelados em uma reportagem do jornalista Aguirre Talento.

Os policiais suspeitam que uma empresa com contratos públicos na gestão Bolsonaro seria o local de origem das transferências feitas para um militar da Ajudância de Ordens, subordinado a Cid. A investigação aponta que o segundo-sargento Luis Marcos dos Reis fez saques em dinheiro vivo para pagar despesas de um cartão de crédito que era utilizado pela ex-primeira-dama e também fez 12 depósitos em dinheiro na conta de uma tia de Michelle.

O cruzamento de informações demonstrou que saiu da conta da Cedro do Líbano Comércio de Madeiras e Materiais para Construção os depósitos de R$ 25,3 mil para a conta do sargento Dos Reis. Com sede em Goiânia, a empresa tem contratos com o governo federal e o principal é com a estatal Codevasf.

Foram localizados ainda três depósitos do sargento para a conta de Rosimary Cardoso Cordeiro, uma amiga de Michelle que chegou a emitir um cartão de crédito para a ex-primeira-dama. Os depósitos, em espécie, que ela recebia eram usados para pagar a fatura do cartão de crédito da então primeira-dama. Outros depósitos foram diretamente para a tia de Michelle, Maria Helena Graces de Moraes Braga.

Não chorem por Michelle, bolsonaristas. Ela não será nossa Isabelita

Fala-se de Michelle como um dos nomes prováveis da direita para herdar os votos do marido nas eleições de 2026. Ela pontua bem nas pesquisas. Mas assim como herda os votos, herda também a pesada rejeição a Bolsonaro que só fará aumentar até lá.

Michelle não é unanimidade nem mesmo entre os filhos do marido. A filha dela com Bolsonaro, a adolescente Laurinha, presenteada pelo pai com certificado falso de vacina contra a Covid-19 para poder entrar nos Estados Unidos, ainda não pode votar

Dos quatro filhos Zero de Bolsonaro com suas duas ex-mulheres, uma delas, vereadora no Rio. Derrotada pelo próprio filho Carlos, pelo menos dois aptos a votar não admitem votar em Michelle com quem não se dão bem. Um é Carlos; o outro, Jair Renan.

É uma família do barulho, cujo patriarca, um paranóico, acha-se cercado de inimigos que já tentaram matá-lo uma vez com uma faca em Juiz de Fora, e que a qualquer momento poderão tentar de novo. Quem o esfaqueou foi um perturbado mental, preso depois.

Não chorem por Michelle, admiradores do casal, não chorem. Ela não será a Isabelita Perón do Brasil, a dançarina argentina, terceira mulher do presidente Juan Domingo Perón, que como vice-presidente eleita junto com ele o sucedeu depois de sua morte.

Isabelita governou a Argentina entre 1º de julho de 1974 e 26 de março de 1976, quando os militares deram um golpe de estado e a derrubaram. Isabelita ficou na Argentina em prisão domiciliar por cinco anos, antes de exilar-se na Espanha. Está viva.

Michelle está vivinha da silva, cuida-se bem, e despertou para a política quando Bolsonaro precisou dela como cabo eleitoral para se reeleger presidente. Uma vez que gravou vídeos para o marido e subiu em palanques, apaixonou-se pela ideia de disputar um mandato.

Acontece que, se depender de Bolsonaro – e depende -, ela não será candidata a presidente em 2026. Falta-lhe “experiência”, diz o marido. Mas não lhe falta, acredita ele, para que se candidate a uma vaga no Senado, desde que sua eleição seja líquida e certa.

Bolsonaro e sua turma estão à procura de um candidato capaz de enfrentar Lula e com chances de vencê-lo. Por ora, só enxergam um: Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo, que deverá migrar em breve do partido Republicano para o PL de Valdemar Costa Neto.

Tarcísio, por enquanto, nada tem a perder com o assédio bolsonarista. Ele só aceitará ser candidato a presidente daqui a dois anos se Lula estiver mal, muito mal nas pesquisas. Do contrário, será candidato à reeleição. É moço e pode esperar que a fila ande.

O que significa Lula estar mal nas pesquisas? Significa estar abaixo dos 35% de aprovação. Pesquisa do instituto Atlas/Intel, que ouviu 1.904 pessoas entre os dias 3 e 6 de maio, apontou que a aprovação dele subiu de 47%, em março, para 50,8%.

A aprovação do governo também subiu – no caso, quase 5 pontos percentuais. Era de 38% em março, passou para 42,9%. Lula comemorou os resultados sem fazer alarde. Ele não comenta pesquisas porque elas não passam de um retrato do momento.

Sim, mas se a eleição fosse hoje? Mas a eleição não é hoje.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *