22/02/2024 - Edição 525

Mato Grosso do Sul

Saldo da balança comercial de Mato Grosso do Sul no 1º semestre de 2023 cresce 51,62% e chega a US$ 3,7 bilhões

Indústrias de R$ 1,5 bilhão reforçam cadeia produtiva do agro em Naviraí: em Bataguassu, cooperativa apresenta indústria de amendoim

Publicado em 10/07/2023 7:21 - Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O saldo da balança comercial de Mato Grosso do Sul no primeiro semestre de 2023 chegou a US$ 3,759 bilhões, valor 51,62% superior ao verificado no mesmo período do ano passado. De janeiro a junho deste ano de 2023, as exportações de Mato Grosso do Sul cresceram 28,52%, saindo de US$ 4,149 bilhões para US$ 5,333 bilhões, enquanto que as importações recuaram de U$ 1,670 bilhão para US$ 1,573 bilhão, queda de 5,79% no período. É o que aponta a Carta de Conjuntura do Setor Externo de Julho de 2023, publicada nesta sexta-feira (7) pela Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação).

Com relação à pauta de exportações, a soja ocupa a primeira posição entre os produtos exportados no primeiro semestre de 2023, representando 44,01% do total e registrando crescimento de 58,84% em termos de volume e de 48,94% em termos de valor. O segundo produto da pauta é a celulose, com 14,47% de participação e aumento em termos de valor de 2,35% em relação ao primeiro semestre de 2022. Houve queda de 22,12% nas exportações de carne bovina no período, ao mesmo tempo que outros produtos apresentaram crescimento de destaque, como o milho (+154,47%), açúcar (+413,50%), Minério de Ferro (+62,12%) e ferro-gusa (+45,53%).

A China segue como o principal parceiro comercial nas vendas externas de Mato Grosso do Sul, concentrando 42,63% do valor total das exportações no primeiro semestre de 2023. Neste período, os países com maiores aumentos na participação foram: Polônia (+437,69%) e Argentina (+204,03%).

No escoamento portuário, considerando os cinco principais portos, houve aumento de 40,66%, sendo que a maior participação no valor exportado foi verificada no Porto de Paranaguá, com 38,20%, seguido pelo Porto de Santos, com 24,97%. Na Agência da RFB de Porto Murtinho foi registrado aumento de 261,4% nas exportações, saindo de 193,48 mil toneladas para 841 mil toneladas no primeiro semestre deste ano. “É importante destacarmos a participação de Porto Murtinho nesse cenário, devido ao fomento do Governo do Estado para as exportações e importações por meio da Hidrovia do Rio Paraguai”, ressaltou o secretário Jaime Verruck.

Por fim, o principal município exportador no período de janeiro a junho de 2023 foi Três Lagoas, com cerca de 23,71% dos valores exportados, com composição baseada sobretudo no setor de Papel e Celulose.

Indústrias de R$ 1,5 bilhão reforçam cadeia produtiva do agro em Naviraí

Desenvolvimento e geração de empregos. Com este lema o Governo do Estado contribuiu e criou o ambiente positivo para a Copasul (Cooperativa Agrícola Sul-mato-grossense) investir R$ 1,5 bilhão no setor industrial de fiação e no processamento de soja na cidade de Naviraí, resultado de uma gestão próspera e inclusiva, que consegue atrair capital privado.

O governador Eduardo Riedel participou nesta sexta-feira (7) do lançamento da pedra fundamental da Unidade Industrial de Processamento de Soja da Copasul, que vai produzir óleo bruto, farelo de soja e casca peletizada, que serão usados para a fabricação de biodiesel, de rações e de refino de óleo, entre outros produtos.

A unidade terá capacidade para processar 3 mil toneladas ou 50 mil sacas de soja por dia, gerando 150 empregos diretos e 1,9 mil indiretos quando estiver em pleno funcionamento.

“É uma alegria estar neste dia de celebração, no lançamento de um empreendimento como este que impacta na vida das pessoas e de toda região. Houve aqui um esforço concentrado para chegar neste momento. São ações como estas que fazem toda diferença no futuro do Estado, afirmou o governador durante seu momento de fala no evento.

Riedel destacou também que tem um plano para os próximos quatro anos no Estado, que passa pela Rota Bioceânica, infraestrutura e investimentos em logística.

“Mato Grosso do Sul está buscando a industrialização de grandes cadeias produtivas. Isto se faz com capacidade de investimento do Estado. Vamos gerir com responsabilidade, pensando nas pessoas, em parceria com capital privado”, explica o governador.

O presidente executivo da Copasul, Adroaldo Taguti, afirmou que o crescimento da Copasul e sua evolução ocorreu com muitos desafios e dificuldades. “Tudo isto chegou neste dia histórico. Estamos otimista e temos certeza que teremos sucesso. Esta pedra é um marco importante”.

Já Gervásio Kamitani, presidente do Conselho de Administração da empresa, destacou que este projeto faz parte da história da cooperativa. “Estes 45 anos de vida da Copasul foi de muito trabalho, anos difíceis, mas hoje estamos aqui lançando um sonho antigo da cooperativa. Aos nossos associados que sempre depositaram confiança nesta gestão, só temos que agradecer. Este é apenas o início deste projeto”, frisou o empresário.

A produção da unidade vai representar um aumento de 20% da capacidade de processamento de soja pelo MS, saindo de 14,5 mil toneladas para 17,5 mil diárias. Instalada nas margens da BR-163, ela estará em uma área de 484 hectares, tendo investimento de R$ 1,4 bilhão.

Unidade Industrial de Fiação

O governador também participou da inauguração da Unidade Industrial de Fiação II da Copasul em Naviraí. Com benefícios fiscais e recursos do FCO (Fundo Constitucional do Centro-Oeste), ela vai produzir fios 100% de algodão e misturas (algodão e poliéster), passando de 16,8 mil para a produção de 24 mil toneladas por ano com esta ampliação.

Em uma área construída de 15.717,11 m², a unidade vai gerar mais 81 empregos diretos e 200 indiretos, tendo investimento de R$ 88 milhões, sendo R$ 22 milhões na construção da linha de transmissão, para atender a ampliação da demanda e doação ao município.

“A Copasul é nossa maior cooperativa do Mato Grosso do Sul. Quando se lança estes empreendimentos tem muita articulação, dedicação e trabalho. No último ano o cooperativismo representou 50% dos investimentos privados do Estado. Por isso temos este olhar positivo para este segmento”, disse o secretário estadual de Desenvolvimento, Jaime Verruck.

Além do governador e de Verruck, participaram das solenidades o chefe da Casa Civil estadual, o secretário Eduardo Rocha, além dos prefeitos da região.

Indústria de amendoim será instalada em Bataguassu

O projeto da unidade da indústria de amendoim que será instalada pela Cooperativa Casul, em Mato Grosso do Sul, foi apresentado esta tarde ao governador Eduardo Riedel. A indústria tem previsão de começar a operar em até cinco anos na cidade de Bataguassu.

“A casul está trazendo essa indústria de amendoim, fomentando o plantio, a produção do amendoim, uma nova cultura que chega no Estado e vem agregar a nossa economia. Lá em Bataguassu, vão começar com uma unidade de recebimento avançando e depois para industrialização”, disse o governador.

“A cooperativa Casul está vindo de vez para o Mato Grosso do Sul, na região de Bataguassu, com um investimento grande no amendoim. Vamos fazer uma indústria completa do amendoim no decorrer de quatro a cinco anos. Isso é importante para a cooperativa, para os cooperados e para o Estado”, disse o diretor-presidente da Casul, Júlio Carlos de Arruda.

O encontro também contou com a presença do secretário da Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), Jaime Verruck, além do diretor-administrativo da Casul, Leandro César Toniolo, e Rogério Beretta, secretário-executivo de Desenvolvimento Econômico Sustentável.

A Cooperativa Casul Peanuts, desde 2016 investe para proporcionar aos cooperados os serviços de limpeza, secagem, armazenagem, benefício e blanching de amendoim. Em fevereiro de 2020 teve início o benefício de amendoim para mercado externo. Em dezembro do mesmo ano A cooperativa adequou seus processos para receber auditoria e certificação para exportação à União Europeia a partir da safra de 2020/2021.

A Casul já tem filial no Estado, no município de Paranaíba, que foi instalada em julho de 2020 – a primeira fora do território paulista –, além de Bataguassu.

“O Estado está de braços abertos para receber essa nova cultura, chegando com o amendoim, que é exportado e utilizado no país. Eu não tenho dúvidas de que o Mato Grosso do Sul tem um grande potencial para ser um dos maiores produtores do Brasil”, finalizou Riedel.

A instalação de mais uma indústria no Estado confirma os esforços atuais em fortalecer a economia sul-mato-grossense, com geração de emprego e renda, e a criação de ambiente favorável para que empresas e negócios tenham base e se fortaleçam em todos os municípios.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *