25/04/2024 - Edição 540

Mato Grosso do Sul

Riedel defende agro sustentável e tecnológico como expoente de MS

Plano para neutralizar carbono é apresentado pelo governador em evento nacional sobre sustentabilidade

Publicado em 04/07/2023 9:58 - Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um novo agro já é praticado em Mato Grosso do Sul e se espalha por todo o Centro-Oeste e pelo Brasil, devendo caminhar lado a lado com a discussão ambiental para consolidar o agronegócio como uma atividade de eficiência produtiva, tecnologia e sustentabilidade. Essa foi a ideia central defendida pelo governador Eduardo Riedel durante sua participação na 22ª edição do Fórum Empresarial Lide, realizado no Rio de Janeiro (RJ).

Ao lado dos governadores de Goiás, Mato Grosso e Acre – respectivamente, Ronaldo Caiado, Mauro Mendes e Gladson Cameli -, o chefe do Executivo sul-mato-grossense pode falar sobre as potencialidades do Estado e colocar em discussão os desafios do agronegócio nacional.

“Três estados na região Centro-Oeste são responsáveis pela metade da safra brasileira, e com potencial de duplicar isso sem derrubar uma árvore sequer. Passamos pela revolução verde, a tecnológica, e está chegando a nova revolução, que é o acesso à internet no campo de forma irrestrita”, destaca o governador Eduardo Riedel, completando em seguida.

“A Inteligência Artificial, a automação dos processos, são coisas transformadoras dentro das fazendas. As máquinas inteligentes obedecem a todo um sistema complexo pois elas tem acessibilidade. É isso o que dá competitividade, além de toda genética e conhecimento gerado aqui no Brasil ao longo do tempo”, finaliza Riedel.

Destacando sua origem como empresário do agro antes de assumir de ser governador, o aumento da atuação de representantes do setor na política e toda a história de transformação do campo na última metade de século, Eduardo Riedel conversou com uma plateia de líderes empresariais do Brasil e de fora do país, expondo a ideia de adoção da temática ambiental.

“Não tem como dissociar esse agro moderno e competitivo do meio ambiente. Não podemos e não precisamos atacar essa discussão. Pelo contrário, temos que adotá-la. Para a gente, o meio ambiente é indissociável do agro, tanto que nossa secretaria do Desenvolvimento é a mesma do Meio Ambiente”, frisa o governador, se referindo à Semadesc.

No decorrer da fala, ele ainda conta que os processos sustentáveis são uma realidade e que todos eles estão ligados de forma intrínseca à cadeia produtiva. Entre os exemplos citados, está o plantio direto, que fixa carbono no solo, e a recente mudança do setor sucroalcooleiro, indo em direção para se tornar uma indústria de bioenergia.

Sustentabilidade para manter um MS Verde

Três grandes vertentes do meio ambiente foram apresentadas por Riedel: a biodiversidade, a água e o balanço de carbono. No caso do primeiro item, o governador afirma que como o Brasil possui 64% de seu território preservado, número acima dos demais países, a biodiversidade assim também está preservada no país. Quanto ao balanço de carbono, o processo produtivos do agronegócio garantem que ele seja executado com eficiência e seja positivo.

“Por isso não tivemos nenhum receito de lançar na última COP um Mato Grosso do Sul que vai neutralizar todas suas emissões de carbono até 2030. Isso está previsto em nosso inventário, está previsto isso no nosso plano de crescimento”, diz o governador.

Eduardo Riedel também lembrou do setor florestal, que atualmente tem 1,2 milhão de hectares plantados e conta com um parque industrial já instalado, havendo ainda a perspectiva de ampliação dessa atividade, demandando mais 2 milhões de hectares de florestas, já plantadas. “É uma taxa de crescimento que fixa carbono no solo”, completa.

“Não podemos deixar de observar nossos grandes desafios, que são a infraestrutura e a logística. Costumo dizer que o Mato Grosso do Sul possui dois Mississipis [em referência ao importante rio estadunidense], os rios Paraguai e Paraná”, afirma, ressaltando o potencial fluvial dos dois. “Os estados não tem capacidade de investimento na escala que se precisa, então por isso precisa de um programa nesse sentido, que promova isso”.

Já quanto a matriz energética, Riedel destacou que a de Mato Grosso do Sul atualmente é 96% renovável, oriunda de fontes hidráulica, biogás e até a solar, que passa por momento de pleno evolução. O crescimento populacional no Centro-Oeste, apontado como um efeito da pujança do agronegócio na região, também foi lembrado pelo governador.

“Cuiabá teve um aumento de 18%, Campo Grande de 14% e Goiânia de 10%, números acima da média brasileira. O Centro-Oeste cresceu de população por ter adotado ações como as citadas, gerado oportunidade a partir desse modelo de novo agronegócio”, finaliza.

Reforma tributária e convite aos ‘visitantes’

Antes do fim de sua fala, o governador também ressaltou a importância do Centro-Oeste observar e participar do debate da reforma tributária, já que pode haver limitação de receitas com a mudança do sistema – do atual modelo de crédito na origem para o crédito ao local de consumo. Ele a considera necessária para melhorar o ambiente de negócios, mas pondera.

“Essa visão de limitar nossas receitas a partir de um consumo que a gente não tem. Somos competitivos por natureza, mas precisamos equacioar isso. Temos que continuar investindo para ter estruturas competitivas e temos que observar que tipo de reforma vamos conduzir. Não quero daqui a 10 anos ver que ficamos estagnados”, destaca.

Já na reta final, Riedel aproveitou para convidar os presentes para conhecer o Mato Grosso do Sul e reforçou a ideia de adoção da discussão ambiental na temática dos agronegócios. “Vão a Bonito conhecer uma remodelada infraestrutura, uma eco smart city por excelência, conectada, jovem, atrativa e responsável com seu principal ativo, que é o meio ambiente. E não vamos dissociar o agro da sustentabilidade. O Brasil é uma potência agro ambiental”, conclui.

Plano para neutralizar carbono em MS é apresentado por Riedel

As ações e projetos realizados em Mato Grosso do Sul para obter o reconhecimento de “Estado Carbono Neutro” até 2030 são referência em sustentabilidade em todo o Brasil. Com o trabalho desenvolvido até agora, o Governo do Estado reforça a meta e também apresenta dos resultados alcançados como modelo a ser seguido.

A expertise estadual é apresentada pelo governador Eduardo Riedel no último dia 26 na abertura da 3ª edição do ‘Sustentabilidade Capixaba’, evento realizado em Vitória (ES). “Nós temos uma meta ousada de neutralizar nossas emissões em 2030. Mato Grosso do Sul é um estado que vem se aprimorando e buscando dentro da agenda do clima fazer o seu dever de casa, com educação e direcionamento das políticas públicas para uma economia de baixo carbono”.

O evento tem como anfitrião o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, e também a participação do governador do Pará, Helder Barbalho. “É uma pauta mundial, e este evento, ‘Sustentabilidade Capixaba’, busca colocar o Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e outros estados nesta pauta, para dar nossa contribuição, participar de todo debate nacional e internacional, ajudar o Governo Federal a alcançar as metas de redução das emissões e transição energética”, disse o governador Casagrande.

A atuação estadual que garante práticas exitosas em diversas áreas da economia, com a participação pública e privada, também foi lembrada pelo governador Eduardo Riedel. “Temos três biomas que são o Pantanal, Mata Atlântica e Cerrado, uma agropecuária muito forte, uma industrialização muito forte, baseada nessa matriz de produção. Com isso vem toda a nossa responsabilidade e ações neste sentido, que envolve o setor público e o setor privado. Como incentivo fiscal do setor produtivo, lastreado em boas práticas de produção, agenda da biodiversidade. Juntos, estados que tem isso como prioridade, podem fazer a diferença para o Brasil”.

O secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, Jaime Verruck, foi outro a falar da experiência de Mato Grosso do Sul. “Dentro do projeto da economia de baixo carbono em Mato Grosso do Sul, estamos desenvolvendo e adaptando tecnologias para a redução e mitigação das emissões de gases de efeito estufa em vários setores da economia do estado, contribuindo para atingir os objetivos do Programa Estadual de Mudanças Climáticas, o Proclima”.

Dentre as ações estão combate ao Desmatamento Ilegal, ações de fiscalização do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de MS) e da PMA (Polícia Militar Ambiental), valorização dos ativos ambientais, análise dinamizada do CAR (Cadastro Ambiental Rural), estímulo a projetos de REDD+, PSA (Pagamento por Serviços Ambientais) e mercado de carbono. “No segmento de biogás o Estado incentiva por meio de programas, como o Leitão Vida e o MS Renovável a instalação de plantas de biogás e biometano, obtidos a partir de subprodutos origem animal e subprodutos origem vegetal”, acrescenta o secretário.

Riedel, ao lado dos governadores Casagrande e Barbalho, participa do painel “Ações dos governos estaduais diante dos impactos das Mudanças Climáticas: O que está sendo feito e os próximos passos necessários”. “É uma alegria estar recebendo o governador Eduardo (Riedel) de Mato Grosso do Sul, que vem dar sua contribuição, pelo trabalho excelente que ele faz no seu estado. Temos um papel importante que é dos governos e também da sociedade, que não pode ficar fora do debate e tem que dar sua contribuição mudando cultura de consumo, comportamento e ajudando no trabalho de educação das novas gerações”, finalizou Casagrande.

O ‘Sustentabilidade Capixaba’ será realizado a partir de hoje (26) até quarta-feira (28), em Vitória (ES), prioriza ações sustentáveis e a preservação do meio ambiente. Nos três dias serão realizados debates sobre as mudanças climáticas e os impactos na sociedade. O evento é um grande encontro onde serão abordadas questões fundamentais para a definição de políticas públicas e privadas que ajudem na redução dos crescentes problemas causados pelas mudanças climáticas em todo o planeta.

Competência

Mato Grosso do Sul é referência em sustentabilidade em diversos setores e com reforço nas ações do Governo do Estado o objetivo é atingir a meta de obter o reconhecimento do território como ‘carbono neutro’ até 2030.

Isso significa reduzir, onde é possível, e balancear o restante das emissões por meio da compensação, que pode ser feita pela compra de créditos de carbono, recuperação de florestas em áreas degradadas e outras ações.

O projeto estratégico “MS Carbono Neutro” tem como objetivo gerar a base metodológica para uma economia de baixo carbono em Mato Grosso do Sul, desenvolvendo e adaptando tecnologias para a redução e mitigação das emissões de gases de efeito estufa em vários setores da economia, contribuindo para atingir os objetivos do Programa Estadual de Mudanças Climáticas – PROCLIMA. Com diversas ações na agropecuária já em execução pelo Governo do Estado por meio do manejo e conservação do solo e água, pecuária de baixo carbono, energia renovável, práticas agrícolas sustentáveis e desmatamento ilegal zero.

Além disso, no início deste ano, Mato Grosso do Sul deu mais um importante passo para obter o status de reconhecimento internacional como ‘carbono neutro’ com a criação do “Plano Estadual de Incentivo ao Desenvolvimento das Fontes Renováveis de Produção de Energia – MS Renovável”, política pública de incentivo as atividades de produção de energia renovável.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *