25/04/2024 - Edição 540

Mato Grosso do Sul

Riedel critica ausência de Contar no debate do Midiamax: “Uma covardia com o eleitor de MS”

Candidato afirmou que despreparo de Contar ameaça o futuro do Mato Grosso do Sul

Publicado em 18/10/2022 9:30 - Semana On

Divulgação

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Eduardo Riedel (PSDB), candidato ao Governo de Mato Grosso do Sul pela Coligação Trabalhando por um Novo Futuro (Número 45), comentou a atitude de seu adversário, Capitão Contar (PRTB) de faltar ao debate promovido pelo site Midiamax na noite desta segunda-feira. Para ele, a atitude foi um desrespeito ao eleitor.

“É muito ruim. Uma covardia com a democracia e com as pessoas deste Estado. Fugir do enfrentamento de ideias e propostas é péssimo para a democracia. Mas, cada um sabe como conduz suas ações. Isso mostra bem o perfil e o caráter do candidato, e como ele iria conduzir suas atividades caso fosse eleito. Fico imaginando se em algum momento ele tivesse uma responsabilidade executiva, como iria conduzi-la?”, refletiu.

“Nós assinamos um compromisso, através de nossas assessorias, que estaríamos presentes neste momento. Não vir é uma falta de respeito com o Midiamax e com toda a população de Mato Grosso do Sul que está mobilizada para escutar as nossas propostas de gestão. Considero uma atitude vergonhosa”, afirmou.

Eduardo Riedel disse ainda que “todas as vezes que um candidato foge da oportunidade de apresentar seu Plano de Governo, ele está não só faltando o respeito com as pessoas, como com a democracia, pois o meu adversário reclamou várias vezes que não tinha tempo de TV, que não conseguia expor melhor as suas propostas, ideias e quando ele tem a oportunidade ele simplesmente foge. Na minha opinião fica claro que ele não está preparado e não tem o que apresentar para a nossa gente. Lamentável”, ressaltou.

Riedel reafirmou que participará de todas as entrevistas e debates marcados neste segundo turno das eleições para o Governo do Estado. “Eu vou a todos os debates em respeito ao cidadão, ao eleitor e à eleitora sul-mato-grossenses”.

O candidato também ressaltou a incapacidade de seu adversário, Capitão Contar, em apresentar propostas. “Se ele não consegue responder as perguntas feitas nas entrevistas é porque não tem a menor capacidade de governar o Estado. É um risco para o desenvolvimento e para a democracia do Mato Grosso do Sul. A atitude dele hoje mostra de fato quem ele é”, criticou.

Eduardo Riedel disse ainda que pretende reforçar a campanha nos próximos dias. “Vamos levar aos municípios o nosso modelo de trabalho, realçar a incapacidade de nosso adversário, trabalhar, trabalhar e trabalhar. Vamos conduzir o MS rumo a um novo futuro de prosperidade. É o que todos esperam”.

Ele também reforçou a importância do apoio da senadora eleita Tereza Cristina. “A nossa campanha está nos 79 municípios. A senadora Tereza Cristina está hoje percorrendo todo o Estado para apresentar este nosso projeto, que não é de poder, mas de Governo. Também agradeço à prefeita Adriane Lopes e ao meu vice, Barbosinha. Fico muito feliz de aliançar com pessoas que querem o bem do Mato Grosso do Sul”.

Apoio polêmicos no 2º turno e pesquisas fajutas

Sozinho no palco, Riedel respondeu a questionamentos já previamente selecionados pela organização e pedindo explicações ao candidato faltante.

“No primeiro turno o senhor atacou os candidatos André Puccinelli, o chamando de corrupto, e Marquinhos Trad, por causa das acusações de assédio que ele respondia. E agora, como caminha ao lado deles? Que compromisso tem assumido com eles?”, indagou para seu adversário ausente.

Riedel ainda seguiu com um segundo questionamento dos três que foram permitidos. “Todo dia em rede social o senhor absolutamente de forma covarde ataca o governador Reinaldo Azambuja, mas conta com a ex-vice-governadora Rose Modesto e ex-secretários que foram importantes na gestão. Até o slogan do Reinaldo na primeira campanha está usando. Agora, anuncia a continuidade, não anuncia seu plano de governo. Não é muita contradição?”.

Por fim, Eduardo Riedel também perguntou se Contar concorda com o presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) em seguir com um projeto para coibir pesquisas fajutas em Mato Grosso do Sul. “Elas se repetem aqui e viraram instrumento de marketing. O senhor concorda em questionar essas pesquisas?”, conclui.

Lula ou Bolsonaro

Riedel falou sobre como será sua relação com Luiz Inácio Lula da Silva (PT) caso ele seja eleito presidente no próximo dia 30. O candidato se disse convicto de que o próximo presidente do Brasil será Jair Bolsonaro, mas reforçou que, caso isso não ocorra, estará preparado para dialogar com seu opositor.

“Temos que estar preparados para qualquer situação. Aprendi em minha vida como gestor, tanto na iniciativa privada como no Governo, que temos que aprender a governar na adversidade. Passamos por uma crise econômica, pela pandemia, e nos saímos bem de todos estes processos, com equilíbrio e capacidade de ouvir e dialogar”, afirmou.

Para Riedel, é papel do homem público dialogar quando é obrigado a governar em oposição conceitual a determinado grupo político. “Acredito que Bolsonaro vai ganhar a eleição. Mas, se não ganhar, estamos preparados para governar. Vamos ter que gerar discussão com quem estiver lá. Tenho convicção de que Bolsonaro estará lá mas, se nao estiver, quem estiver terá que respeitar o Estado que mais cresce no Brasil, o Estado que tem a 4ª menor taxa de pobreza do país”.

O candidato afirmou que, se tiver que negociar com Lula, vai cobrar o estabelecimento de programas robustos. “Como liderança e governador do Estado, estarei com nossa bancada federal, ajudando a construir um relacionamento com o Governo Federal. Vamos gerar a continuidade das políticas que nos levarão a um futuro de prosperidade para as pessoas, com emprego e renda”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *