25/04/2024 - Edição 540

Mato Grosso do Sul

Ponte em Murtinho avança e Rota Bioceânica na Argentina e Chile começa a sair do papel

Governo discute novo plano diretor do município

Publicado em 24/04/2023 10:48 - Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Mato Grosso do Sul acompanha com expectativa as obras que vão tirar a Rota Bioceânica do status de projeto e alça-la como realidade. A infraestrutura é ponto crucial no encurtamento do caminho até a Ásia e para que o novo percurso das exportações tenha êxito como elemento para alavancar o desenvolvimento regional.

“A ponte [sobre o rio Paraguai, ligando o Brasil ao país vizinho] em Porto Murtinho está com 20% pronta. É uma obra em andamento e que conta com Itaipu financiando, com recurso já provisionado. Ou seja, é uma obra que não para”, explicou o governador Eduardo Riedel.

Riedel completa ainda que os recursos para a construção das alças de acesso à ponte, no lado brasileiro, já foram alocados no orçamento federal, chegando a aproximadamente R$ 100 milhões. A licitação para a obra deve acontecer em maio.

“Mais adiante na Rota temos ainda o trecho paraguaio, com 220 km acontecendo. Este é o último trecho de pavimentação lá. Na conexão com a Argentina, 30 km de estrada sem pavimentar já estão licitando em Salta”, revela o chefe do Executivo.

O governador finaliza afirmando ainda que no segundo eixo da Rota Bioceânica, que liga a Argentina ao Chile, também há bom encaminhamento para as exportações ocorrem pelo porto chileno de Antofagasta, situação essa que encurtará a viagem até o oceano Pacífico em 200 km ante a outra opção, que é o porto de Iquique, também no Chile.

Impacto é mudança de patamar

“A Rota Bioceânica é um dos marcos de mudança de patamar econômico de Mato Grosso do Sul que virá acompanhado de bem estar para a nossa população. Trabalhamos para isso”, frisa Eduardo Riedel, ao destacar a capacidade de integralizar a produção local.

Segundo o governador, o corredor não será uma mera via de exportação de commodities, que fazem parte da essência econômica sul-mato-grossense, e sim um instrumento capaz de abrir oportunidades e atrair novos investimentos ao Estado.

“Não vai ser só levar commodity. Vai ser difícil tirar soja pela Rota. Soja sai pelo porto de Murtinho, que vai dobrar a capacidade [de escoamento]. Vamos em breve licitar o segundo porto lá. Soja sai pela ferrovia. Mas pela Rota vão entrar e sair produtos de valor agregado. É esse o roteiro que está sendo construído e que vai ajudar muito no desenvolvimento do Estado”, finaliza o governador.

Plano Diretor

Com foco no desenvolvimento e nas novas oportunidades da rota bioceânica, Eduardo Riedel e representantes de várias instituições se reuniram para discutir o planejamento estratégico, econômico e a criação de um plano diretor em Porto Murtinho, que é uma cidade estratégica do Estado na implantação do corredor.

O prefeito de Porto Murtinho, Nelson Cintra, destacou que todo apoio e ajuda para cidade será importante nesta mudança social e econômica, em função da rota. “Estamos conversando com o Governo, instituições e universidades e todos estão dispostos a ajudar, o que nos deixa muito contente. Esta reunião foi muito produtiva. A cidade vai ter um boom em função do corredor”.

Um dos parceiros deste projeto é a Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul). “A Universidade vai contribuir com esta proposta do plano diretor da cidade, porque já estamos fazendo o acompanhamento da rota desde o início. Vai existir aqui uma ação em conjunto e vamos aprimorar o projeto para trazer ao governador”, disse o reitor da Uems, Laércio Alves de Carvalho.

O professor e geógrafo Fábio Martins Ayres, que é coordenador do Centro de Pesquisas de Estudos de Fronteira da Uems, participou do encontro e disse que a expectativa é a produção deste plano em seis meses. “Estamos correndo contra o tempo. A novidade é que vamos fazer um trabalho e ordenamento do município na área urbana e rural, que vai ser base para os próximos 40 anos, sendo fruto de um trabalho conjunto”.

Já Mateus Boldrine Abrita, que faz parte da Superintendência de Inteligência de Dados da Segov (Secretaria Estadual de Governo e Gestão Estratégica), destacou que outros trabalhos vão contribuir para este desenvolvimento. “Temos expertise em projetos anteriores em fazer o mapeamento dos arranjos produtivos locais, analisando economicamente os municípios que estão no trajeto da rota, em especial Porto Murtinho, o que vai contribuir com esta iniciativa”.

Porto Murtinho é uma cidade estratégica para Mato Grosso do Sul, já que liga o Estado aos países sul-americanos, rumo ao Oceano Pacífico. Está sendo construída inclusive uma ponte sobre o Rio Paraguai, na divisa do município com a cidade de Carmelo Peralta (Paraguai), que faz parte da rota bioceânica.

Também participaram da reunião o secretário Jaime Verruck (Semadesc), o deputado Paulo Corrêa e representantes do Sebrae-MS, Fiems (Federação das Indústrias de MS) e Unilivre (Universidade Livre do Meio).


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *