14/06/2024 - Edição 540

Mato Grosso do Sul

Pantanal: fogo já devastou área quase oito vezes maior que o Rio em 2023

Com aeronaves e equipes extras, Governo de MS intensifica ações e combate aos incêndios no Pantanal

Publicado em 15/11/2023 10:12 - G1, Semana On – Edição Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Pantanal volta a sofrer com mais uma temporada de fogo em 2023. Até novembro deste ano, 947.025 hectares do bioma que se espalha por Mato Grosso do Sul e Mato Grosso já foram consumidos pelas chamas. A área devastada é equivalente a quase oito vezes do tamanho da capital carioca, Rio de Janeiro.

Os dados são do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Lasa-UFRJ). Os números de área queimada até novembro de 2023 já são quase 200% superior ao registrado em todo o ano passado.

Em Mato Grosso do Sul já foram 489.950 hectares queimados em 2023. Já em Mato Grosso, o número é de 456.725 ha. Entretanto, o percentual da área consumida nos estados também são diferentes. Em MS, pelo menos 5% da área do bioma já foram devastadas. No MT, 8,5%.

Apesar do combate às chamas no Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro, local que mais perdeu área para o fogo, os incêndios já consumiram, de acordo com os dados do Lasa, 34,34% do perímetro do parque.

Quanto a concentração de chamas, outras duas áreas chamam atenção dos especialistas em Mato Grosso do Sul:

– Terra Indígena Kadiwéu (Corumbá): 19.37% consumidos;

– RPPN Fazenda Rio Negro (Aquidauana): 16.78% queimadas.

Nas Terra Indígena Tereza Cristina, mais da metade do perímetro já foram consumidos. Ao todo, 50,57% da área tiveram contato com as chamas, segundo os dados do Laboratório da UFRJ.

Outras duas áreas também aparecem em evidência:

– Parque Estadual Encontro das Águas: 34.79%;

– Parque Nacional do Pantanal Mato-grossense 27.31% (Divisa com MS na região da Serra do Amolar gestão do Parque fica em Corumbá).

O Parque Estadual Encontro das Águas em chamas é um risco à biodiversidade pantaneira. O local fica no encontro dos rios Cuiabá e Piquiri, na região de Porto Jofre.

A reserva tem 108 mil hectares e se pode ver a exuberância do Pantanal bem de perto. O parque é conhecido como o maior santuário das onças-pintadas do planeta.

Combate aos incêndios

Com atuação do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul no combate aos incêndios no Pantanal, o Governo do Estado intensifica as ações voltadas ao controle das chamas. Aeronaves do GOA (Grupamento de Operações Aéreas), do Corpo de Bombeiros e do CGPA (Coordenadoria Geral de Policiamento Aéreo), da Polícia Militar, serão utilizadas para deslocamento das equipes para as áreas críticas.

O CPA (Centro de Proteção Ambiental), do CBMMS, responsável pelo monitoramento de incêndios florestais em Mato Grosso do Sul e pela coordenação da Operação Pantanal 2023, informou que no fim de semana houve um aumento das solicitações e necessidade de envio de mais guarnições de combate para a região pantaneira.

Ontem também ocorreu reunião entre o comando do Corpo de Bombeiros e o Grupamento de Operações Aéreas para gerir as demandas. A partir de hoje serão empregadas as aeronaves do CBMMS e também do CGPA da Polícia Militar para deslocamento de militares para os pontos críticos.

Na região do Paiaguás (norte) duas guarnições de especialistas atuam no combate aos incêndios florestais. E outras duas guarnições serão deslocadas com a aeronave para outro foco também ao norte. O remanejamento só é possível de ser realizado por meio aéreo, pois não existem estradas no local.

Na região do Rio Negro três guarnições atuam no incêndio de grandes proporções, e que ainda tem agravantes como altas temperaturas e velocidade do vento. Na noite de domingo (12) e madrugada de segunda-feira (13) a frente de fogo avançou aproximadamente 20km por causa das condições climáticas adversas.

E mais dois focos menores são combatidos – próximo do município de Corumbá, na região de Monjolinho, e outro na região do Buraco das Piranhas.

O avião de combate Air Tractor está em operação no foco da região do Rio Negro e a outra aeronave de transporte entra em operação nesta terça-feira (14), para transporte dos militares.

Ontem pela manhã mais cinco viaturas com kits pick-up – que fazem a captação de água – e demais equipamentos de combate, e efetivo de 24 militares, foram deslocadas ontem (13) para reforçar o combate aos focos na região do Rio Negro e Paiaguás (norte do Estado).

Decisão

Para definir medidas necessárias do poder público estadual, e dos proprietários rurais dos municípios pantaneiros atingidos pelo fogo, a Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação) realizou uma reunião na tarde do dia 13.

O encontro reuniu os secretários Jaime Verruck (Semadesc) e Antonio Carlos Videira (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), além de representantes do CBMMS, Defesa Civil, Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e o presidente da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Marcelo Bertoni.

Uma das medidas definidas é a publicação, ainda nesta semana, do Decreto de Situação de Emergência nos municípios de Corumbá, Ladário, Miranda, Aquidauana, Porto Murtinho, Sonora, Rio Verde de Mato Grosso, Coxim, Bodoquena, Jardim, Bonito, Anastácio, Corguinho e Rio Negro devido aos incêndios florestais registrados nessas regiões, especialmente nos últimos dias por conta das condições climáticas severas intensificadas pelo El Niño.

“Com a publicação do decreto de situação de emergência, o Governo pode dispor dos recursos necessários para as ações de combate aos incêndios florestais, como a aquisição de combustível para automóveis e aeronaves, diárias, alimentação, EPI´s e outras necessidades do Corpo de Bombeiros”, informou o secretário da Sejusp, Antonio Carlos Videira.

“O governador Eduardo Riedel nos orientou a mobilizar toda a frota de aeronaves disponível no Governo para auxiliar nas ações de combate ao fogo, seja no enfrentamento direto ou no transporte dos militares. Vamos contar com aviões e helicópteros da Casa Civil, das polícias Civil e Militar, e do Corpo de Bombeiros. Com o apoio da Famasul, vamos mobilizar os produtores rurais para auxiliar no que for necessário. Além disso, o Imasul também contratou 500 horas de voo de aeronaves particulares que deverão ser utilizadas nessa ação intensificada de combate ao fogo nos próximos dias”, disse o secretário Jaime Verruck.

O boletim de monitoramento de incêndios florestais de Mato Grosso do Sul, elaborado pela equipe técnica do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima de Mato Grosso do Sul) e do CBMMS, aponta que no período de 1° de janeiro a 12 de novembro de 2023 houve redução de 8,7% na área queimada do bioma Cerrado em território sul-mato-grossense e um aumento de 95,8% no bioma do Pantanal, em relação ao ano de 2022.

Os municípios de Corumbá (74,8%), Aquidauana (12,8%) e Porto Murtinho (10%), concentram 97,6% dos focos de calor no Pantanal, conforme dados do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

O CBMMS já está em atuação na região desde o dia 17 de maio de 2023 e já foram empregados um efetivo de 296 bombeiros e bombeiras militares nas ações de prevenção, preparação e combate aos incêndios florestais nessas regiões.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *