17/07/2024 - Edição 550

Mato Grosso do Sul

Governo do Estado permanece com o controle do terminal hidroviário de Porto Murtinho

Na divisa do município com Jardim, ponte sobre o Rio Perdido passa por reparos emergenciais

Publicado em 09/03/2023 10:17 - Semana On

Divulgação Gov BR

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A administração do terminal hidroviário de Porto Murtinho permanece sob o controle do Governo de Mato Grosso do Sul. Por unanimidade, o Órgão Especial do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) rejeitou as preliminares e denegou a segurança. Com a decisão, o ativo permanece com o Governo do Estado livre de embaraços judiciais para uma nova concessão.

O imbróglio se estende desde a publicação do Decreto nº 15.856, de 20 de janeiro de 2022, pelo então governador Reinaldo Azambuja, que declarou a caducidade do contrato de concessão do ramal com a APPM (Associação Portuária de Porto Murtinho). Antes do decreto, dois processos administrativos foram abertos e não avançaram nas irregularidades encontradas pelo Governo.

A agência portuária detinha o direito de explorar e gerir o terminal, desde 2001. No contrato, diversas ações relacionadas às atividades não foram cumpridas. “Levantamos 17 irregularidades que não foram sanadas, como não execução de obras previstas na concessão, falta de manutenção dos bens públicos, pagamentos de outorgas atrasadas por período superior a três meses e outros”, explicou o procurador do Estado Gustavo Machado Di Tommaso Bastos.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Inovação e Tecnologia (Semadesc), Jaime Verruck, explicou que há um pouco ano o governador Reinaldo Azambuja publicou um decreto de caducidade e abriu uma comissão para avaliar o cumprimento das metas estabelecidas na concessão da empresa da APPM de Porto Murtinho.

“Eu fui presidente da comissão e durante esse período de avaliação identificamos que a empresa não cumpriu os compromissos, não fez os investimentos realizados, não operou os volumes necessários e não pagou as taxas. Então o governador Reinaldo Azambuja publicou um decreto de caducidade que é a perda da concessão da empresa. Ela tinha o direito da concessão, mas operava com baixíssimos níveis. O que houve foi que esta empresa entrou na justiça questionando o decreto de caducidade, entendendo que ela tinha o direito de permanecer com o terminal. Agora com a decisão judicial que TJ, validando o nosso decreto de caducidade em relação ao porto, tudo que foi desenvolvido pela equipe junto com a PGE ficou validado”, salientou.

“A PGE esteve presente na comissão que opinou pela caducidade do Porto e na sequência o governador emitiu o decreto baseado, também, em parecer da Procuradoria que atestou a regularidade do processo administrativo de caducidade. Posteriormente, a APPM judicializou a matéria e, por unanimidade, foi denegada, no âmbito do TJMS, a segurança pleiteada”, explicou a procuradora-geral do Estado, Ana Carolina Ali Garcia.

No ano passado, o Governo publicou o edital de venda, mas suspendeu porque se fosse vendido como ativo não tinha garantia de que seria um porto. “Achamos ruim perder essa atividade. Então nós cancelamos o processo licitatório”, destacou.

Agora, o Governo do Estado deverá transferir o processo para o EPE (Escritório de Parcerias Estratégicas) para que ele faça uma análise de concessão.

Na divisa de Porto Murtinho com Jardim, ponte sobre o Rio Perdido passa por reparos emergenciais

Passa por obras de manutenção a ponte de madeira sobre o Rio Perdido, na divisa dos municípios de Porto Murtinho e Jardim, no Sudoeste de Mato Grosso do Sul. A estrutura de 40 metros de comprimento acabou danificada no final de fevereiro por causa das fortes chuvas que atingiram a região.

Segundo a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), os reparos na travessia tiveram início no último dia 3 passada e a expectativa é de que o serviço seja concluído até o próximo sábado (12).

A manutenção emergencial da ponte, que é da Prefeitura de Porto Murtinho, recebe investimento de R$ 149 mil, em uma parceria com o Governo do Estado.

A ponte de madeira em vigamento simples sobre o Rio Perdido está localizada na estrada vicinal Tupã, sentido a 4 palanques. Ela atende produtores locais, que estimam uma lavoura de 20 mil hectares na região.

Sem a ponte, segundo a Residência Regional da Agesul em Jardim, os produtores teriam que fazer 90 quilômetros de viagem até Bonito e dar uma volta de mais 50 quilômetros no trevo de Jardim para andar 15 quilômetros e pegar o trevo até Tupã, em um caminho de 65 quilômetros de asfalto e 70 de estrada de chão. Com a ponte, o percurso é de cerca de 25 quilômetros.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *