24/04/2024 - Edição 540

Mato Grosso do Sul

“Fogo não é mais normal, nem cultural em MS”, afirma titular da Semadesc sobre trabalho contra incêndios florestais

El Niño provoca situação climática extrema no Estado, com alerta para focos no Pantanal

Publicado em 22/02/2024 1:36 - Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

“Fogo não é mais normal nem cultural no Estado. Esta é a primeira ruptura que nós temos que fazer. Então nós vamos trabalhar muito forte neste ano no manejo integrado e prevenção do fogo, combatendo esta prática que não cabe mais na situação atual”. A afirmação foi feita pelo secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc), Jaime Verruck, durante a abertura do 1º Seminário de Incêndios Florestais 2024 de MS.

O evento começou ontem (21) e acontece no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, reunindo instituições como a Semadesc, Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), Corpo de Bombeiros, Cemtec, brigadistas, Ibama, ONGs e representantes da cadeia produtiva da pecuária e florestas para debater a questão dos incêndios florestais.

Durante dois dias os participantes vão debater diversos eixos como: prevenção preparação, resposta, responsabilização e reabilitação ambiental. O seminário é o primeiro de uma série de eventos previstos para ocorrer em 2024 pela Semadesc.

“Desde janeiro o Governo do Estado vem realizando reuniões para discutir a questão dos incêndios florestais. Hoje serão feitas várias discussões técnicas. O Ministério do Meio Ambiente já publicou um decreto de emergência ambiental e nós estamos terminando nossa base técnica para fazer o decreto de emergencia ambiental estadual. Vamos ter uma estrutura de planejamento das atividades”, salientou o secretário Jaime Verruck.

Ele lembra que dentro das várias metas da Semadesc neste ano de 2024, está a busca de tratar com a sociedade de forma mais direta, as mudanças climáticas que estão cada vez mais sendo sentidas em várias regiões do nosso território.

“Nosso foco este ano é combater os incêndios florestais trabalhando com capacitação e parcerias. Para nós é fundamental a parceria com os produtores rurais, principalmente no Pantanal”, reforçou Verruck.

O Governo do Estado, segundo o secretário está colocando toda a sua estrutura disponível para fazer este combate.

“Temos elementos hoje para poder terminar nosso plano operativo, ampliar a parceria, ver ações de trabalho e como identificar mais rápido as situações. O planejamento é o instrumento mais adequado para que consigamos, de forma conjunta, fazer o combate aos incêndios florestais”, pontuou.

Programação

Durante ontem foram discutidos temas como compensação ambiental, programas do Governo de MS e de entidades internacionais para combate aos incêndios florestais entre outros assuntos.

Já hoje (22) estão na pauta o papel da Embrapa num painel sobre os corredores ecológicos da Lei do Pantanal em vigor e os incêndios florestais; UFMS: o uso do fogo no manejo da vegetação pantaneira; FAMASUL e ABPO: estudo de caso e as iniciativas frente aos incêndios florestais em MS; WETLANDS: Inteligência de fogo em áreas úmidas; IMASUL: os planos de Manejo Integrado do Fogo (PMIF) em áreas particulares de MS; Sistema ÓRION de Inteligência de fogo adotado no Estado do Mato Grosso.

Está previsto ainda uma mesa redonda com integrantes do Comitê do Fogo de MS e suas câmaras técnicas, apresentação de propostas pelos participantes e avaliação do seminário.

El Niño provoca situação climática extrema em MS, com alerta para incêndios florestais no Pantanal

Com influência direta do fenômeno El Niño, a situação climática extrema e atípica em Mato Grosso do Sul pode contribuir para a ocorrência de incêndios florestais no Pantanal e nos outros biomas do Estado – Cerrado e Mata Atlântica.

As chuvas estão abaixo da média em todo o Estado desde dezembro de 2023, e a previsão é de que o déficit de precipitação persista e provoque danos ambientais, com ampliação de área seca e intensificação de casos de incêndios florestais.

O meteorologista Vinícius Sperling, do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima de Mato Grosso do Sul), explica que em todo o Estado, com as chuvas abaixo do esperado há quase três meses, a situação deve se agrave nos próximos meses. Os dados são consolidados a partir do monitoramento de 48 municípios, com informações do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico) e Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais).

“Em dezembro, de 2023, tivemos chuvas abaixo da média história em 39 municípios analisados. Já em janeiro deste ano, a situação não foi diferente, em 41 municípios houve déficit de precipitação. Sem acúmulo de água no solo, os rios estão com níveis mais baixos, é reflexo da falta de chuva”, pontua o meteorologista.

A situação crítica persiste desde o início do ano, nos 15 primeiros dias do mês de fevereiro, praticamente todos os municípios monitorados tiveram chuvas abaixo da média. “Com exceção de Porto Murtinho, que teve 164 milímetros, mas 100 milímetros caíram em apenas um dia, foi um evento atípico que fez com que a média subisse. De forma geral, o impacto da falta de chuva aparece nos indicadores de seca, que tem se intensificado em todo o Estado”, afirma Sperling.

No Pantanal, de acordo com a análise do Cemtec, a área com seca foi intensificada no período que deveria ser mais chuvoso, entre dezembro e janeiro. “Desde novembro a gente observou o avanço da seca, com piora em janeiro por conta das chuvas muito abaixo do ideal. Isso tudo resulta em aumento dos focos de calor, incêndios florestais, em todos os biomas presentes em Mato Grosso do Sul”, disse o representante do Cemtec.

Mudanças climáticas

O El Niño alterou as condições de temperatura e precipitações, com anomalias que provocaram situações extremas – de máximos e mínimos volumes – de chuvas, umidade relativa do ar, além de calor.

Fabiano Morelli, pesquisador do Programa de Monitoramento de Queimadas por Satélites do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), explica que em dezembro de 2023, boletim mensal sobre o fenômeno El Niño já apontava previsão de condições mais secas do que o normal durante o mês de janeiro deste ano.

“A análise explica toda a situação do El Niño. A quantidade de chuvas tem sido abaixo do esperado em toda a região central do Brasil, e a temperatura está acima da média. O fenômeno age nos períodos secos e quentes, mantendo a situação assim no centro do País, e provocando precipitações intensas, com inundações e enchentes no sul”, explicou Morelli.

O relatório do Inpe, elaborado em conjunto com Inmet, ANA e Cenad (Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres), apresentou o monitoramento e previsões sobre o fenômeno em 2023, e também informou sobre possíveis impactos este ano.

Além de apontar que os baixos volumes de chuva previstos – aliado a irregularidade espacial das mesmas –, em Mato Grosso do Sul, contribuiriam para manter o armazenamento hídrico em níveis mais baixos. A situação colaborou para a ocorrência de incêndios florestais fora da época crítica das queimadas no Pantanal – que geralmente ocorrem entre os meses de julho a outubro.

Durante o mês fevereiro e em março, a previsão é de que a situação persista, com chuva escassa e influência direta na região Sul, além de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

“O El Niño se manifestou muito forte a partir do período final de outubro e novembro. Foi uma situação atípica, com grande seca, inclusive no Rio Amazonas e em Manaus, com muita fumaça. A situação anômala tem influência nas secas significativas e provavelmente interferiu ciclo hidrológico, no transporte de chuva da Amazônia para a região central e sudeste do Brasil”, disse o pesquisador do Inpe.

O sistema de monitoramento dos ‘Focos Ativos por Bioma’, do Inpe, mostra que no mês de janeiro deste ano foram registrados 369 focos detectados por satélite no bioma Pantanal – em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso –, enquanto no mesmo período de 2023 foram 103. Em comparação – com o mês de janeiro – nos últimos seis anos, a quantidade de focos em 2024 supera a registrada em 2020, com 226 e fica atrás apenas de 2019, com 542.

Mais 58% dos focos registrados em janeiro, foram em Mato Grosso do Sul e os municípios que tiveram maior quantidade de casos foram Corumbá (1°), Aquidauana (3°) e Miranda (5°).

Prevenção e resposta

Este ano, o Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul já atuou em dois incêndios de grandes proporções, na Serra do Amolar – no Pantanal -, e na região do Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro, em Miranda.

“As mudanças climáticas estão acontecendo. Um reflexo são esses incêndios, por exemplo, em janeiro, que é um mês comumente de chuvas na região. Porém, já atuamos em dois grandes incêndios este ano. E tivemos também na temporada de 2023, no mês de novembro, um crescimento absurdo dos focos de calor e incêndios aqui no Estado. Então a gente está se preparando cada vez mais, para que no momento de resposta a gente consiga dar um melhor atendimento, mais rápido a este tipo de emergência”, explicou a tenente-coronel Tatiane Inoue, diretora de Proteção Ambiental do Corpo de Bombeiros Militar, que realiza o monitoramento dos incêndios florestais no Estado.

O trabalho dos bombeiros é realizado por terra e ar, com utilização de aeronaves para combate às chamas em locais de difícil acesso e transporte de equipes. A atuação também conta com uso de tecnologia – drones e georreferenciamento –, que torna o trabalho de controle e extinção do fogo mais efetivo.

Desde o mês de janeiro, o Governo do Estado já prepara ações preventivas e de resposta, para garantir que o combate aos incêndios em todos os biomas – Pantanal, Cerrado e Mata Atlântica – seja eficiente.

“Toda essa logística faz com que o Mato Grosso do Sul, tenha se tornado nos últimos anos, uma referência na proteção ambiental, também com investimento da capacitação profissional, materiais, tecnologia. Tudo para dar uma resposta ainda melhor”, finalizou a tenente-coronel Tatiane Inoue.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *