29/05/2024 - Edição 540

Mato Grosso do Sul

Eduardo Riedel é escolhido como coordenador do Pantanal no Consórcio Brasil Verde

Municípios do Sul de MS devem receber primeiras usinas de energia solar através de PPP

Publicado em 14/03/2023 10:04 - Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O governador Eduardo Riedel foi escolhido pelos governadores como coordenador das ações e projetos do Pantanal no Consórcio Brasil Verde. Mato Grosso do Sul faz parte desta iniciativa que busca promover uma cooperação entre os estados para enfrentar os efeitos das mudanças climáticas no Brasil.

Foi realizada uma assembleia virtual com os estados que participam do consórcio. “Apresentei meu nome e fomos escolhidos para ser o coordenador do bioma Pantanal, o que é importante para Mato Grosso do Sul porque dois terços do bioma estão aqui. Poderemos levar o Pantanal e toda sua potencialidade para o restante do Brasil e do mundo”, afirmou o governador.

Riedel destacou que o Consórcio Brasil Verde vai levar ao Brasil grandes pautas voltadas ao meio ambiente, que vão gerar desenvolvimento sustentável a todos os estados. “Se trata de uma grande iniciativa, sou um entusiasta do consórcio, pois traz uma agenda fundamental para todos nós”, completou.

A reunião também definiu os coordenadores nacionais dos demais biomas, além do presidente do Consórcio, que será o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande. O estatuto e o contrato de rateio da organização já foram apresentados e no prazo de 30 dias serão aprovados os textos finais.  O secretário Jaime Verruck, titular da Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), fará parte do Conselho Administrativo. Ele acompanhou a reunião virtual ao lado do governador e da procuradora-geral do Estado, Ana Ali Garcia.

Consórcio

O Consórcio Brasil Verde foi lançado por diversos governadores durante a 26° Conferência das Nações Unidas para a Mudança Climática (COP-26), realizada em Glasgow, na Escócia, em 2021.

O objetivo é compatibilizar o desenvolvimento econômico-social com a proteção do sistema climático, de forma justa e ecologicamente equilibrada, reduzindo a emissão de gases de efeito estufa, conservando os biomas, buscando o desenvolvimento de soluções energéticas limpas, dentre outros.

A ratificação do Consórcio Brasil Verde faz parte do compromisso dos estados em cumprir as metas assumidas pelo País no âmbito do Acordo de Paris, assinado em 2015 durante a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças no Clima (COP21).

“O Consórcio foi um trabalho conjunto. A disponibilidade de recursos sempre passava pela União e a montagem do consórcio nos possibilitará a apresentação de uma série de projetos para botar recursos nos biomas. É o primeiro (consórcio) que trata da sustentabilidade, das mudanças climáticas. Este é um ponto importante “, salientou o secretário Jaime Verruck.

A iniciativa vai permitir, por exemplo, ganhos de escala na contratação de bens e serviços e nas ações voltadas ao enfrentamento das mudanças climáticas, reduzindo os custos nos trabalhos realizados pelos participantes. O compartilhamento das informações entre os estados também vai propiciar uma troca de experiência e de boas práticas mais efetivas.

Municípios do Sul de MS devem receber primeiras usinas de energia solar através de PPP

Representantes do Governo do Estado e da HCC Energia Solar se reuniram na segunda-feira (13) para alinhar a execução do cronograma de instalação das centrais de energia elétrica fotovoltaica em Mato Grosso do Sul. A empresa firmou PPP (Parceria Público-Privada) com o Estado para abastecer com energia limpa e renovável mais de mil prédios públicos estaduais, como escolas, batalhões de polícia e unidades do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito), entre outros.

A expectativa é de que as primeiras usinas sejam construídas em municípios do Sul do Estado, explicou o gestor de projetos da empresa, João Alberto Machiavelli. “A ideia é que a gente inicie obras de duas áreas entre março e abril. Os dois municípios que têm grandes chances de serem os primeiros a entrarem nesse primeiro bloco de projetos são Angélica e Glória de Dourados”, adiantou.

A lista completa das cidades onde serão instaladas as centrais de energia elétrica fotovoltaica será fechada pela empresa até o final do mês de abril. Após a conclusão e aprovação do cronograma de instalação, a Seilog será a secretaria que vai acompanhar a execução contratual da PPP, explicou a secretária especial do EPE (Escritório de Parcerias Estratégicas) da Segov (Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica), Eliane Detoni, que foi responsável pela elaboração da PPP.

“Nessa reunião de hoje fizemos a entrega formal do contrato da PPP para a Seilog. Passamos os principais detalhes do projeto e apresentamos as providências que a Seilog precisa tomar. E nas próximas semanas a empresa concessionária HCC irá apresentar esse cronograma de execução que deve ser aprovado para depois ser acompanhado”, destacou Detoni.

Para o secretário Hélio Peluffo, da Seilog, “o Governo está avançando na geração de energia limpa e renovável”. “Teremos um selo verde em todo o Estado. Estamos avançando para atender 1.434 unidades do governo com essa energia, sob a responsabilidade da Seilog”, ressaltou. Os pontos de atendimento vão abranger 96% dos prédios do Detran-MS; 95% das unidades da Polícia Militar; 95% da Polícia Civil; 97% do Corpo de Bombeiros e 79% das escolas estaduais.

Os investimentos previstos na PPP para o suprimento de energia limpa e renovável às unidades administrativas estaduais totalizam R$ 134 milhões. Serão aplicados R$ 80 milhões na implantação da infraestrutura das Centrais de Energia Fotovoltaica e R$ 54 milhões na operação e manutenção.

Ao término do contrato, os bens integrantes das usinas a serem implantadas retornarão ao Estado.

Além de Peluffo, Detoni e Machiavelli, participaram da reunião integrantes a diretora de Estruturação de Contratos e Arranjos Institucionais, Gabriela Rodrigues, a diretora Técnica-Operacional, Juliana Pegolo, o diretor Econômico-Financeiro, Rédel Neres, e a coordenadora de Engenharia, Roberta Katayama, ambos do EPE; e assessor da Seilog, Onofre Assis de Souza.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *