22/04/2024 - Edição 540

Mato Grosso do Sul

Ato de amor: a luta para combater a desinformação e aumentar o estoque do banco de leite humano

Doação de sangue é gesto de amor ao próximo que pode salvar até quatro vidas

Publicado em 19/02/2024 10:49 - Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

No momento, 35 bebês estão internados na UTI Neonatal (Unidade de Terapia Intensiva) do HRMS (Hospital Regional Rosa Pedrossian), em Campo Grande. O nascimento antes da hora requer cuidados especiais para o desenvolvimento dos prematuros até a tão esperada alta hospitalar, incluindo alimentação com o leite materno, mas os estoques estão em baixa.

O Banco de Leite do hospital conta atualmente com 30 doadoras cadastradas. O ideal seria o dobro, cenário que a técnica responsável pela pasteurização não vê há 15 anos.

Rosimeire Souza Rodrigues, conhecida como dona Rose, desenvolve a função há mais de duas décadas e lamenta ter visto as doações caírem tanto. “Chegamos a ter uma única mãe doando 3 litros por semana”, lembra.

As gavetas do refrigerador onde ficam armazenadas as doações estão quase todas vazias. Para a enfermeira responsável pelo banco, Nívea Lorena Torres, o principal entrave ainda é a desinformação.

“O ideal é conversar sobre aleitamento materno durante o pré-natal, mas apenas 40% das pacientes que atendemos fazem acompanhamento com a gente antes do parto. O restante é demanda espontânea. Após o nascimento dos bebês fica mais difícil trabalhar a conscientização”, explica.

Ela lembra que é preciso oferecer também um apoio emocional por conta de uma série de outras questões envolvidas. Existem muitas preocupações após o parto, mães preocupadas com filhos que deixaram em casa, por exemplo.

De acordo com a enfermeira, um litro de leite humano pode alimentar até 10 bebês na UTI Neonatal por dia. “Com os estoques em baixa é preciso fazer escolhas de quais bebês precisam mais. Aí complementamos com as fórmulas, mas o ideal era ter a quantidade necessária para todos”, lamenta.

O leite humano é importante para o desenvolvimento dos recém-nascidos porque contém todos os nutrientes necessários, além de ser rico em anticorpos que fortalecem o sistema imunológico e previnem infecções.

A médica neonatologista Bianca Stavis Conte vivencia a angústia das mães que acompanham os filhos prematuros internados no hospital e a comemoração a cada ganho de peso dos bebês.

Ela explica que entre as tantas vantagens do leite humano está a prevenção à doença do intestino prematuro, chamada enterocolite.

“O leite materno tem anticorpos que nenhuma fórmula tem. A fórmula imita o leite, mas não tem as propriedades imunológicas dele. É mais difícil de ser digerida. Trata-se de uma opção. Não é o ideal”, explica.

A dona de casa Guaracyara Nascimento dos Santos, de 31 anos, acompanha a filha prematura Eloah Vitória internada no Hospital Regional desde que nasceu em 22 de janeiro. Os outros dois filhos estão em Aquidauna, cidade onde a família mora. A caçula nasceu com 30 semanas de gestação e se alimenta do leite da mãe que também doa para outros bebês.

“Vejo os avanços no desenvolvimento da minha filha com o leite materno e ser uma doadora é um ato de amor. É preciso estímulo, perseverança, não podemos desistir. Os bebês são guerreiros”, diz emocionada, com os olhos cheios de lágrimas.

No leito quase ao lado de Guaracyara, está outra mãe, a jovem Letícia Barreto da Silva, de 18 anos. Ele deu à luz duas meninas, Heloa e Eloísa. As gêmeas nasceram de 35 semanas no dia 9 deste mês. A mãe está amamentando e comemora o desenvolvimento das filhas: “elas estão ganhando peso, já engordaram bastante”.

Quem se interessar em doar deve entrar em contato com o Banco de Leite Humano do Hospital Regional pelo número (67) 3378-2715. Presencialmente ou por este contato são repassadas todas as orientações para as doadoras fazerem um cadastro. A partir daí a unidade móvel de captação percorre uma rota semanal para fazer a coleta das doações.

Doação de sangue é gesto de amor ao próximo que pode salvar até quatro vidas

Ato solidário, a doação de sangue é um gesto simples e altruísta que pode salvar até quatro vidas em poucos minutos. A ação, que exige reabastecimento constante para suprir as demandas, recolhe 450ml de sangue por doador e representa uma fração de esperança para aquele que recebe.

Com o curto período de duração do concentrado de hemácia (42 dias) e de plaquetas (5 dias), o gesto exige atitude pró-ativa por parte do doador. Sinônimo de cidadania, a doação de sangue regular é indispensável para evitar qualquer escassez de estoque.

De acordo com a gerente de Relações Públicas da Rede Hemosul MS, Mayra Franceschi, os doadores em potencial costumam sensibilizar-se com a causa quando reconhecem a importância da doação de sangue para receptores futuros.

“A doação de sangue é um processo que vem da consciência do cidadão. Doar sangue é um dever, pela vida humana. Quando temos empatia, pensamos no outro e nos identificamos com ele, decidimos pelo amor ao próximo, pela solidariedade, pelo agir humano”, explica.

De tratamentos constantes a casos repentinos, o ato é capaz de salvar vidas em diversas circunstâncias. A coordenadora da Rede Hemosul, Marina Torres, destaca sua importância para intervenções médicas de grande porte e complexidade como transfusões, transplantes, procedimentos oncológicos e cirurgias. Acidentes graves também podem exigir transfusões de sangue urgentes.

Além dos motivos que frequentemente demandam o uso de bolsas de sangue, Marina Torres ainda destaca sua necessidade durante os períodos de grande transmissão de Dengue. “Estamos no período sazonal da dengue e no caso da dengue grave, chamada de dengue hemorrágica, requer uma grande quantidade de transfusões de plaquetas”.

Seja um doador

Entre os critérios para doação de sangue, o voluntário deve ter entre 16 e 69 anos, pesar no mínimo 51kg e estar bem alimentado e descansado. Para os candidatos menores de idade, é necessário autorização e acompanhamento dos responsáveis legais. Além disso, é indispensável a apresentação de documento oficial com foto e boas condições de saúde.

Aquele que deseja contribuir com a causa pode averiguar todos os critérios para a doação de sangue – incluindo aqueles que tornam o candidato inapto – no site ou nas redes sociais do Hemosul. O endereço eletrônico ainda conta com informações atualizadas sobre o estoque e os tipos sanguíneos com maior escassez.

No caso de doadores já cadastrados e efetivos, homens podem realizar a doação até 4 vezes ao ano, em um intervalo de 60 dias entre coletas. Já no caso das mulheres, até 3 doações podem ser realizadas no período de 12 meses, com um intervalo de 90 dias.

Horário de funcionamento

Em Campo Grande, três pontos de coleta podem ser encontrados pelo doador: o Hemosul Coordenador funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h, e aos sábados das 7h às 12h; Na Santa Casa e no Hospital Regional, o atendimento é de segunda a sexta-feira, entre 7h e 12h.

Ao todo, a coleta ocorre em 7 cidades sul-mato-grossenses, incluindo Campo Grande, Dourados, Três Lagoas, Ponta Porã, Paranaíba, Coxim e Corumbá. Informações completas sobre o funcionamento nesses municípios também estão presentes no site do Hemosul, bem como as unidades de armazenamento, distribuição, transfusão ambulatorial e sangria terapêutica.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *