28/02/2024 - Edição 525

Mato Grosso do Sul

Análises feitas pelo Imasul atestam que 87% dos rios de MS têm água de qualidade ótima ou boa

Fiscalização do Vigiagua garante água com qualidade aos sul-mato-grossenses

Publicado em 23/03/2023 9:56 - Semana On

Divulgação MS Gov

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Análises dos laboratórios do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), feitas durante o ano passado, atestam que 74,5% das amostras de águas dos rios de Mato Grosso do Sul foram consideradas boas e 13,2% ótimas. O Imasul, órgão ambiental do Estado vinculado à Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), mantém desde 1994 o Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais e a Rede Básica de Monitoramento da Qualidade das Águas, mecanismos que permitem acompanhar a situação dos rios e subsidiar políticas públicas e a gestão eficiente dos recursos hídricos no Estado.

O gerente de Recursos Hídricos do Imasul, Leonardo Sampaio, explica que o monitoramento da qualidade da água com ênfase em seus múltiplos usos é uma atividade indispensável, tendo em vista a importância biológica, econômica e social da água, que por isso mesmo requer sua preservação e conservação. “Essa importância se traduz na capacidade técnica do órgão em fornecer informações que permitam o controle da degradação da qualidade das águas, como também para subsidiar a investigação tanto dos processos naturais e consequências das ações humanas no meio ambiente.”

O Programa de Monitoramento foi implantado pelo órgão ambiental em 1994 e, desde então, a Rede Básica de Monitoramento vem sendo ampliada de forma gradual, no início eram 24 estações de monitoramento e hoje somam 194, todas georreferenciadas e distribuídas de forma estratégica em 76 principais rios do Estado. Na Bacia do Rio Paraguai estão 85 estações e na Bacia do Rio Paraná, outras 109.

Nessas estações de monitoramento são analisados, em média, 40 parâmetros físicos, químicos e biológicos (qualitativos), de vazão e medição (quantitativos) que permitem traçar o perfil da qualidade das águas superficiais. Os dados constam no Relatório de Gestão dos Recursos Hídricos 2022 e resultam na qualificação das águas superficiais em cinco níveis: ótima, boa, aceitável, ruim ou péssima. As análises buscam detectar a presença de metais pesados (chumbo, cobre, cromo, mercúrio, manganês), quantidade de oxigênio dissolvido, nitrogênio, temperatura, turbidez, Ph, entre outros dados.

Durante o ano de 2022 foram analisadas 675 amostras, sendo que 89 alcançaram nível ótimo de qualidade (13,2%), 503 foram consideradas boas (74,5%), 40 se enquadraram no nível aceitável (5,9%), 31 no nível ruim (4,6%) e 12 péssimas (1,8%). “Esses números indicam que, de maneira geral, as águas superficiais no Mato Grosso do Sul permaneceram durante a maior parte do tempo nas qualidades ótima e boa”, disse o secretário da Semadesc, Jaime Verruck.

O diretor-presidente do Imasul, André Borges, lembra que, desde 2013, Mato Grosso do Sul mantém termos de cooperação com a Agência Nacional de Águas para custear o Programa Nacional da Qualidade da Água (Qualiágua), o Programa de Consolidação do Pacto Nacional pela Gestão das Águas (Progestão), o Programa Nacional de Fortalecimento dos Comitês de Bacias Hidrográficas (Procomitê), que visam fortalecer a gestão das águas em todo território nacional.

“Todos os anos apresentamos relatórios das ações desenvolvidas em cada programa e recebemos aprovação da ANA, que renova os convênios e dessa forma, o Imasul mantém e aperfeiçoa os mecanismos de monitoramento e gestão dos recursos hídricos”, pontuou.

Entre as atividades ajustadas nos acordos com a ANA, em 2022 foram realizadas 88 cursos de capacitação totalizando 476 participações nos eventos promovidos pelo órgão ambiental e por parceiros, nas modalidades EaD, presencial e semipresencial, para servidores do próprio instituto ou voltados ao público externo.

Fiscalização do Vigiagua garante água com qualidade aos sul-mato-grossenses

Para que a água possa ser consumida sem que haja riscos à saúde, ou seja, potável, é necessário que passe por um tratamento para limpeza e descontaminação, evitando assim, a transmissão de doenças.

Diante disso, a SES (Secretaria de Estado de Saúde), por meio da Vigiagua (Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano), desenvolve ações que visam assegurar o consumo da água com qualidade para a população de Mato Grosso do Sul, por meio da vigilância constante, pautada na fiscalização de prestadoras de abastecimento de água e compatível com o padrão de potabilidade, estabelecido na legislação vigente.

Segundo a gerente da Vigiagua, Gabriela Conzolino, é importante ressaltar que para uma vigilância efetiva e bem-sucedida no monitoramento, é imprescindível a integração de várias áreas, como no aspecto de qualidade, onde são monitorados parâmetros físico-químicos, microbiológicos e de substâncias químicas que são realizados pelo Lacen/MS (Laboratório Central de Saúde Pública) da água consumida nos 79 municípios do estado.

“A avaliação conjunta de informações de vigilância em saúde ambiental com vigilância epidemiológica para identificar as situações de risco, como em surtos, tem o propósito de auxiliar as tomadas de decisões sobre ações preventivas e corretivas, assim como avaliar os procedimentos adotados. Destacamos ainda que a gestão do saneamento básico, tais como água e esgoto, está relacionado diretamente com a saúde, onde podemos prevenir doenças de veiculação hídrica, como diarreias, parasitoses intestinais, hepatite, entre outras, através do tratamento e monitoramento da água”, destaca.

Dia Mundial da Água

Instituído pela ONU (Organização das Nações Unidas), o ‘Dia Mundial da Água’ é celebrado todos os anos no dia 22 de março como uma forma de promover a conscientização sobre a importância da água e defender uma gestão sustentável dos recursos hídricos.

Para o ano de 2023 foi definido o tema: “Acelerando Mudanças – Seja a mudança que você deseja ver no Mundo”. A campanha tem como objetivo discutir maneiras mais rápidas de mudanças para resolver a crise global da água e saneamento. O tema é um convite à reflexão em relação a maneira de como a população usa, consome e gerencia a água nas casas, escolas e comunidades.

É direito humano o acesso à água, saneamento e higiene, porém, bilhões de pessoas em todo o mundo ainda vivem sem água potável e saneamento básico gerenciado de forma segura. O equilíbrio e conservação da biodiversidade e a regulação do clima do planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Água é um assunto de todos.

Dicas para consumo consciente da água:

  • Cronometre o banho;
    • Desligue a torneira ao escovar os dentes;
    • Verifique e corrija vazamentos;
    • Lave roupas somente quando tiver juntado a quantidade máxima para encher a máquina;
    • Feche o registro de água ao viajar;
    • Feche a torneira ao ensaboar as louças;
    • Lave o carro com baldes;
    • Tenha e monitore hidrômetros individuais;
    • Sempre que possível, reutilize a água.

Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *