18/05/2024 - Edição 540

Legislativo

Prof. André Luis diz que Campo Grande está perdendo a sua história

Em audiência pública, o vereador afirmou que “falta gestão”

Publicado em 10/05/2024 4:00 - Semana On

Divulgação ALEMS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Durante a audiência pública realizada na quarta-feira (8), para tratar sobre o patrimônio histórico e cultural de Campo Grande, o vereador Professor André Luis disse que a falta de gestão está fazendo com que a cidade perca sua história.

O parlamentar se solidarizou com os servidores da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Sectur). De acordo com André Luis, a pasta é desprestigiada pelo Poder Executivo, o que traz consequências para a preservação histórica da Capital.

“Ninguém tem cuidado de Campo Grande, que é uma cidade de 126 anos e está perdendo a sua história. É preciso que a gente veja com carinho as coisas da terra da gente, mas Campo Grande é muito politizada e pouco gerenciada com o coração”, afirmou.

Ainda em sua fala, que aconteceu no debate realizado pelo vereador Ronilço Guerreiro, o parlamentar ressaltou que é preciso que as secretarias tenham um servidor para ser gestor de processo e acompanhar em detalhe as ações executadas pela pasta, a fim de fazer com que a administração aconteça de forma mais organizada.

Para exemplificar a falta de uma gestão mais transparente, André Luis lembrou que a Câmara Municipal liberou, a cerca de dois anos, a quantia de R$10 milhões destinados à Prefeitura, para transformar o antigo Clube Surian, no centro de Campo Grande, em uma Escola Municipal de Ensino Infantil (Emei), plano que não saiu do papel.

“Como vereadores, liberamos, há dois anos, R$10 milhões para transformar o Surian em uma creche. Mudaram de ideia e queriam vender o lugar. O que foi feito com o dinheiro?”, questionou.

Além da falta de gerenciamento adequado, o parlamentar apontou que outro problema é a falta de interesse das pessoas em suas origens e na história da cidade.

“O problema da cultura, é a falta de cultura, quando você não sabe para o que serve, você não prestigia. Então, como um dos encaminhamentos podemos incluir o ensino da História de Campo Grande nas escolas, de forma paralela, levando as crianças para conhecer os lugares históricos da cidade”, concluiu.

Como encaminhamento da audiência, ficou definido que a Câmara Municipal irá cobrar a Prefeitura quanto a um plano de proteção do patrimônio cultural. Além disso, o Legislativo ainda irá solicitar informações à Sectur e à Secretaria Municipal de Infraestrutura de Serviços Públicos a respeito de obras em locais culturais que estão paradas, como a Praça dos Imigrantes e o Teatro do Paço Municipal

Outro encaminhamento é buscar junto à bancada federal recursos para a revitalização da Orla Ferroviária e finalizar o processo de desapropriação da Casa Arnaldo Figueiredo, onde hoje funciona uma autoescola, para destiná-la à Cultura.

Ainda participaram da audiência, a vereador Luiza Ribeiro, representantes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, bem como representações dos bairros onde há bens históricos.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *