13/06/2024 - Edição 540

Legislativo

Pedro Kemp comemora desempenho positivo da economia brasileira

Com o crescimento de 0,8% do PIB no primeiro trimestre de 2024, tornando a oitava maior economia do mundo

Publicado em 06/06/2024 12:01 - Semana On

Divulgação ALEMS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Na sessão de quarta-feira (5), o deputado Pedro Kemp (PT) fez uso da tribuna para registrar o desempenho positivo do governo Lula na economia, com o crescimento de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2024, tornando a oitava maior economia do mundo.

“No governo Dilma, o Brasil ocupava o 7º lugar, indo para o 13º no governo anterior. Agora, com o presidente Lula, o PIB avançou no primeiro trimestre desse ano, em razão do maior consumo e pelo setor de serviços, e nosso País sobe no ranking e fica à frente da Itália. Os resultados deste crescimento são melhorias nas condições de vida da população”, destacou

Para o parlamentar, os indicadores precisam ser comemorados, pois o Brasil saiu da estagnação e passa a ser real a perspectiva de crescimento da economia sustentável, com distribuição de renda. “A política de reajuste do salário mínimo é um dos principais determinantes da condição de vida material da maioria da população brasileira”, disse.

Kemp lamentou a postura de alguns congressistas. “Infelizmente, existem parlamentares que não fazem oposição ao governo, mas jogam contra o desenvolvimento do Brasil. Os deputados federais, do chamado centrão, fazem política fisiológica, do toma lá, da cá. Pressionam para liberação de emendas e votam contra os projetos do governo”, afirmou Kemp.

Em parte, Pedrossian Neto (PSD) ressaltou que, embora o crescimento econômico seja moderado, a trajetória da dívida pública aumenta de forma explosiva. “O setor público registrou déficit nominal de R$ 1,043 trilhão no acumulado de 12 meses até abril. O valor é recorde na série histórica, iniciada em 2002. O rombo nas contas públicas superou o pico registrado na pandemia de Covid-19, que era de R$ 1,017 trilhão. Ou corrigimos ou vamos pagar um custo elevado por isso”, falou.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *