25/04/2024 - Edição 540

Legislativo

Com aumento de casos, Paulo Corrêa convoca população a se vacinar contra gripe

Deputado considera vacinação ato de responsabilidade social

Publicado em 04/04/2023 11:17 - Semana On

Divulgação ALEMS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Com o considerável aumento de casos e lotação das unidades de saúde, o deputado estadual Paulo Corrêa (PSDB) alerta a população a aderir à campanha de vacinação contra influenza (gripe). A campanha, prevista para ter início em 10 de abril, foi antecipada pelo Governo do Estado após o recebimento de 188 mil doses do Ministério da Saúde, na semana passada.

Até a última sexta-feira (31), 63 municípios já haviam retirado as doses e iniciado a imunização do público-alvo, conforme o Conselho de Secretarias de Saúde de Mato Grosso do Sul (Cosems-MS). A expectativa é que os 79 municípios comecem a aplicar a vacina ainda nesta semana.

“Há um alto número de internações de crianças nas últimas semanas, e acreditamos que a vacinação vai reduzir esse índice, diminuir a circulação do vírus e dar um fôlego para as unidades de saúde”, avalia Paulo Corrêa.

O 1º secretário da Assembleia Legislativa pontua que, desta vez, todos os públicos podem se vacinar desde o início da campanha, não sendo necessário aguardar a abertura de um calendário específico de acordo com a faixa etária. “É só procurar a unidade de saúde mais próxima da sua casa que a vacina estará disponível para ser aplicada. Vacinação é um ato de responsabilidade coletiva e a pandemia de covid-19 nos mostrou isso”, lembra.

Sobre a Influenza

O período de incubação dos vírus influenza é geralmente de dois dias, oscilando entre um e quatro dias. Sinais e sintomas da doença são muito variáveis, podendo ocorrer desde a infecção assintomática até formas graves. Os quadros graves ocorrem com maior frequência em indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção, lactentes no primeiro ano de vida e crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade, gestantes, idosos com 60 anos ou mais e pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais.

A transmissão ocorre principalmente de pessoa para pessoa, por meio de gotículas respiratórias produzidas por tosse, espirros ou fala da pessoa infectada para uma pessoa suscetível. A síndrome gripal (SG) se caracteriza pelo aparecimento súbito de febre, cefaleia, dores musculares (mialgia), tosse, dor de garganta e fadiga. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias.

Os sintomas respiratórios como a tosse e outros tornam-se mais evidentes com a progressão da doença e mantêm-se em geral de três por cinco dias após o desaparecimento da febre. Nos casos mais graves, geralmente, existe dificuldade respiratória e há necessidade de hospitalização. Em situações onde ocorre agravamento dos casos, estes podem evoluir para a síndrome respiratória aguda grave (Srag) ou mesmo óbito.

A influenza é uma infecção viral aguda, que afeta o sistema respiratório e é de alta transmissibilidade. A estratégia de vacinação contra a influenza foi incorporada no Programa Nacional de Imunizações (PNI) em 1999, com o propósito de reduzir internações, complicações e óbitos na população-alvo.

A vacinação contra a influenza permite, ao longo do respectivo ano, minimizar a carga e prevenir o surgimento de complicações decorrentes da doença, reduzindo os sintomas nos grupos prioritários além de reduzir sobrecarga sobre os serviços de saúde. Os sintomas podem ser confundidos com os da Covid-19.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *