24/04/2024 - Edição 540

Legislativo

Articulação de Vander garante permanência da base da PRF em Paranaíba

Deputado assumiu cadeira no Parlasul mirando debates da Rota Bioceânica

Publicado em 27/09/2023 1:01 - Semana On

Divulgação

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Preocupado com a segurança nas estradas para a população da Região do Bolsão em Mato Grosso do Sul, o deputado federal Vander Loubet acionou o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) reivindicando a permanência da base da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na BR-158, no trecho que liga Cassilândia a Aparecida do Taboado, mais precisamente nas proximidades de Paranaíba. A apreensão em relação a uma possível retirada do posto policial do local se deu após o Governo do Estado e o Grupo Way Brasil assinarem contrato de concessão da rodovia, em março deste ano.

A ação de Vander se deu em virtude de solicitação do vereador Andrew Robalinho, de Paranaíba. De acordo com ofício encaminhado pelo edil ao deputado, a base da PRF tem colhido bons resultados no combate ao crime e ao narcotráfico, pois Paranaíba é o principal corredor que liga Mato Grosso do Sul aos estados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Além disso, nenhuma cidade próxima, que faz divisa com esses estados, tem base de polícia ostensiva.

Outra alegação feita pelo vereador para defender a permanência da base da PRF é que o município conta com uma população de 50 mil habitantes, sendo conhecida como a “Capital do Bolsão”, além de ser polo universitário e industrial, com mais de 40 indústrias e empresas de grande porte.

Diante dos argumentos apresentados por Robalinho, Vander encaminhou um ofício ao MJSP solicitando atenção ao caso.

Segundo resposta do MJSP ao deputado, o Grupo Way Brasil, responsável pela BR-158, ficará encarregado pela manutenção viária, melhorias de tráfego e capacidade rodoviária. Porém, a concessão não prevê a retirada da PRF, a qual continuará atuando na segurança viária, prevenção e combate ao crime, dentre outras atribuições que lhe competem.

Ainda de acordo com o documento do Ministério encaminhado a Vander, está em andamento a celebração de convênio entre a Superintendência da PRF em MS e a concessionária, com o objetivo de regular a utilização e operação da verba destinada à Polícia Rodoviária Federal, destinada ao aparelhamento necessário à execução dos serviços de policiamento e apoio à fiscalização do tráfego.

Para o parlamentar, a determinação do MJSP de manter a base da PRF é essencial para a prevenção e combate ao crime na região. “A PRF tem feito um ótimo trabalho no Bolsão e em todo o estado. Conseguimos controlar a entrada e saída de veículos e cargas que vem do Paraguai e Bolívia e que adentram o nosso país. Daí a importância da manutenção dessa base”, ressaltou Vander, que nos últimos anos atuou para garantir emendas e recursos para a estruturação e modernização da PRF no estado.

Parlasul

Na última segunda, o Parlamento do Mercosul (Parlasul) realizou sua 89ª sessão plenária em Montevidéu, capital do Uruguai. Na ocasião, o órgão deu posse à representação brasileira para o período 2023-2027.

Entre os senadores e deputados federais brasileiros que tomaram posse está o deputado Vander Loubet (PT-MS), que assumiu a vaga de olho nos debates que se darão em torno da Rota Bioceânica.

“Esse é um espaço importante de debate para nós do Mato Grosso do Sul. Além das questões do Mercosul, temos a questão da Rota Bioceânica, projeto estratégico para nosso estado e que envolve a integração de quatro países que fazem parte desse mercado comum”, destacou Vander, se referindo a Brasil, Argentina e Paraguai – países fundadores do Mercosul – e Chile – país associado.

Segundo o deputado pantaneiro, com a Rota Bioceânica, Mato Grosso do Sul estará no centro do desenvolvimento do Mercosul, já que o corredor rodoviário beneficiará não apenas o estado e o Brasil, como os demais países do continente.

“A gente fala muito das exportações de proteínas do nosso estado e da Região Centro-Oeste para o mercado asiático, mas a verdade é que a Rota Bioceânica vai trazer impactos para outros países. Por exemplo: os produtos que o Brasil importa do Chile entram pelo Rio Grande do Sul. Entrando pela Rota essa distância será bem menor. A mesma coisa com produtos que importamos da Argentina e do Paraguai. Ou seja, todo o Mercosul vai poder tirar proveito do projeto, daí a importância de fazer esse debate no Parlasul”, conclui Vander.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *