22/07/2024 - Edição 550

AUAU MIAU

Nesta Páscoa, divida amor e não chocolate com seu pet

A guloseima é considerada para os animais devido a uma substância encontrada no cacau, a teobromina

Publicado em 09/04/2023 9:54 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Com a Páscoa e consequentemente o aumento no consumo de chocolates, a assessoria especial de Defesa e Proteção da Vida Animal faz o apelo: divida amor, e não chocolate com seu pet.

A nova pasta do Governo de Mato Grosso do Sul é destinada à articulação de políticas públicas em prol da vida, defesa e proteção animal, e é ocupada por Carlos Eduardo Rodrigues Leite e Giovanna Graal Bassi. Assessor da defesa e proteção animal, Carlos Eduardo explica que é importante conscientizar os tutores, principalmente nesta data.

“Muitas pessoas não sabem e acabam dividindo com o bichinho, ao estarmos comendo, ele está ali olhando, mas não pode. Por isso estamos na campanha: divida seu amor e não seu chocolate”, frisa Carlos Eduardo.

Médica veterinária, Ana Beatriz Mungo explica que o chocolate é considerado tóxico devido a uma substância encontrada no cacau, chamada teobromina. “Quanto mais cacau tiver no chocolate, ou seja, quanto mais amargo for, maiores são as chances de intoxicação”, enfatiza.

Caso o animal ingira, a orientação é procurar atendimento médico-veterinário. Os sintomas da intoxicação podem ser desde vômitos e diarreias, até taquicardia, taquipnéia e convulsões. “A depender da quantidade de teobromina ingerida, o animal pode desenvolver insuficiência hepática que pode levar ao óbito”, completa a veterinária.

Pauta animal

A defesa e proteção animal vem sendo implantada dentro da Setescc (Secretaria de Estado de Turismo, Esporte, Cultura e Cidadania). A atribuição da assessoria é justamente lutar pelo bem-estar dos animais e conscientizar contra os maus-tratos.

“Vamos trabalhar na conscientização, explicar para a população o que são maus tratos? O bem-estar animal tem pilares, o que quer dizer o animal estar livre de fome, sede, livre de dor e de angústia”, enfatiza Carlos.

Leia outros artigos da coluna: AUAU MIAU

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *